pensa@fia.com.br (11) 3818 4005 / (11) 2648 6406

27 jul 2021

PODCAST UDC #3 Pesquisa: Estratégias contratuais de suprimento de cafés de alta qualidade.

Podcast Universidade do Café Brasil -Uma nova forma de comunicar nossas pesquisas.

Olá! Apresentamos neste Podcast a pesquisa Estratégias contratuais de suprimento de cafés de alta qualidade, uma pesquisa que desenvolvemos em 2015. Há mais de 30 anos o Pensa tem estudado as relações contratuais na agricultura e na cafeicultura de um modo especial.

Nos anos 1990 o Brasil passou por um período de transição na desregulamentação da agricultura. As mudanças representaram oportunidades para os produtores que, em muitos casos, passaram a ser procurados por empresas que necessitavam de cafés com características padronizadas, de alta qualidade num ritmo constante de fornecimento. A illycaffè desembarcou no Brasil nessa época e, de forma pioneira, começou a procurar produtores tradicionais em busca do café que necessitava. A illy passou a oferecer um bônus de preço por saca acima dos padrões mais altos do mercado para aqueles que se comprometiam a ofertar lotes dentro dos padrões exigidos. Com o tempo, vendo o acerto desta estratégia, outras empresas iniciaram seus processos de aquisições envolvendo padrões e estabelecendo preços motivadores para seu produto. O mercado do café no Brasil tomou uma dinâmica diferente daquela que predominou ao longo da história e nunca mais foi como antes.

A questão contratual

Para melhor entender a questão dos contratos na atualidade, a UDC Brasil contatou um grupo de produtores para rever alguns pontos de sua pesquisa. A seguir apresentaremos os principais resultados.

Praticamente todos os produtores reconhecem a importância dos contratos que definem preços de antemão com o compromisso do produtor fornecer um determinado padrão de produto.

Alguns já fazem essa prática há mais de vinte anos, com tendência de aumento do volume de contratos a termo. Na região do cerrado a prática dos contratos é comum. O perfil destes produtores é muito diferente daqueles que praticam mais as vendas pelo sistema “spot”. Este produtor que vende a termo normalmente já está estabilizado financeiramente, conhece seus custos de produção e busca as melhores oportunidades para colocar seus cafés no mercado. A prática de venda “spot” vem diminuindo e quando a safra do cerrado começa, mais de 30% do café já foi vendido.

A prática dos contratos que fixam preços para cafés de qualidade nem sempre é formalizada, ocorrendo também os chamados “contratos relacionais” nos quais as partes estabelecem reputação e têm interesse na continuidade do relacionamento ao longo do tempo. Quando existem flutuações de preços, ou quebra de qualidade, as partes do contrato mantêm o relacionamento, protegendo a relação com vistas ao longo prazo. Cabe destacar ainda que os produtores, por terem produção heterogênea, vendem no mercado spot parte da sua produção, o que é importante para gerenciar o fluxo de caixa, permitido pela liquidez elevada do café. O fato é que esses contratos trazem sustentabilidade econômica ao negócio garantindo a renda do produtor.

Já na região das Matas de Minas, observa-se menos contratos a termo, entretanto o número de produtores que fecham contratos para entrega futura tem aumentado e já se veem contratos para 2022 e 2023.

As empresas compradoras se interessam em desenvolver o relacionamento com produtores de cafés diferenciados de modo a conhecê-los melhor, estreitar os laços comerciais e reduzir incertezas de quebras contratuais de parte a parte.

Foi destacado que na região do Sul de Minas os contratos informais são importantes, constituindo-se em contratos relacionais de longo prazo com clientes internacionais. Esses clientes têm adquirido, a exemplo de outras regiões, lotes já fechados na quantidade e qualidade, há anos seguidos, demonstrando a resiliência desse tipo de comercialização.

Valido para as três regiões, os contratos no café continuam a seguir o mote de: “contrato feito, contrato honrado”. Muitas das cooperativas incentivam seus associados a cumprirem a entrega do que foi contratado em termos de quantidade e qualidade.

Um fato a ser notado é que boa parte dos contratos é feita diretamente com compradores internacionais e exportadores. Não são comuns os contratos feitos diretamente entre produtores e indústrias brasileiras. Essa falta de proteção de preços pode levar à problemas de abastecimento, principalmente em épocas de alta volatilidade de preços do mercado.

Finalmente os contratos de barter ou trocas. Empresas de insumos também criaram sistemas de agregação de valor aos cafés. Dessa forma o produtor não faz apenas uma Operação de troca de commodity por insumo, mas tem a visibilidade e rastreabilidade do café que produz com atributos de qualidade como aparência, notas de bebidas e peneiras. Ou seja, o produtor supre suas necessidades de insumos para a produção, utilizando-se dessa forma contratual diferenciada.

Como principais conclusões temos que:

– O volume de cafés comercializados via contratos aumenta em todas as regiões produtoras.

-O barter ( trocas) tem aumentado também, produtores se abastecem dos insumos necessários, obtendo bons resultados nas vendas dos cafés de qualidade.

-Observam-se as seguintes vantagens ao se realizar contratos a termo:

*Obter o travamento de preços tanto para os produtores quanto para a indústria.

*Obter redução de riscos, não ficando à mercê da volatilização do mercado.

*Manter as relações de confiança, reputação e fidelização.

Os resultados reforçam que cafeicultores cada vez mais tem buscado instrumentos financeiros com intuito de reduzir o risco da atividade.

Esta pesquisa foi publicada no Volume 8 dos Cadernos da universidade do café Brasil. Este e os demais volumes estão disponíveis para download em nosso site universidadedocafe.com


Voltar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *